Redentoristas do Brasil repudiam "ações do governo" diante da pandemia

Diante do avanço da pandemia do novo coronavírus no Brasil e das recentes ações do governo brasileiro, os provinciais e vice-provinciais do Brasil, representados por meio da União dos Redentoristas do Brasil (URB), divulgaram uma Carta ao Povo Brasileiro no último dia 07 de junho. 

No texto, os missionários da Copiosa Redenção se mostram preocupados com a "proliferação de dois vírus letais" no país: pandemia de COVID-19 e a irresponsabilidade genocida do governo. 

Os religiosos denunciam a "indiferença do governo brasileiro" que busca "satisfazer os interesses do grande capital, salvar a economia e não as vidas" dos milhares de brasileiros. 

Leia a carta na íntegra: 

shutterstock
shutterstock
A Esperança é a nossa força e com ela combateremos o bom combate.



Carta ao Povo brasileiro 
da União dos Redentoristas do Brasil - URB

 

 

Estamos vivendo de maneira bastante visível nesses últimos meses, no Brasil, a proliferação de dois vírus letais, a pandemia de COVID-19 e a irresponsabilidade genocida de um governo, que não se importa com a Vida na sua integralidade. A COVID-19, que em outros países vem sendo tratada como uma das maiores crises sanitárias do mundo, a partir das orientações da OMS, no Brasil, aos olhos do Presidente da República, não passa de uma “gripezinha”, chegando até mesmo ao absurdo de ocultar dados.

 

A indiferença do governo brasileiro tem contribuído para que o Brasil seja, hoje, o terceiro país no mundo em números de óbitos. Sua grande preocupação tem sido a de satisfazer os interesses do grande capital, salvar a economia e não as vidas.

Isso ficou bastante evidente na reunião ministerial do dia 22 de abril, amplamente divulgada pelas mídias, quando a pandemia do novo coronavírus e suas consequências não entraram em pauta. O exemplo disso ficou estampado na fala do ministro do meio ambiente que sugeriu: “Enquanto eles estão preocupados com o coronavírus podemos aproveitar para passar a boiada e mudar as regras de aprovação ambiental”.

Esse tipo de comportamento tem contribuído para o avanço da grilagem de terras, mortes de indígenas e perseguições aos movimentos sociais, em meio a pandemia.

Essa realidade, e tantas outras que conhecemos e sentimos na pele, clamam aos céus, nos provocam e convocam a vencermos o mal da indiferença que se encontra globalizado.

O texto Base da CF 2020, n. 27, citando as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, nos diz que: “Somente contemplando o mundo com os olhos de Deus, é possível perceber e acolher o grito que emerge das várias faces da pobreza e da agonia da criação”.

Na Exortação Apostólica Pós Sinodal, Querida Amazônia, o Papa Francisco afirma:

“É preciso indignar-se como se indignou Moisés (cf. Ex 11,8), como se indignava Jesus (Mc 3,5), como se indigna Deus perante a injustiça (cf. Am 2,4-8; 5,7- 12). Não é salutar habituarmo-nos ao mal; faz-nos mal permitir que nos anestesiem a consciência social [...]”.

Como missionários da Copiosa Redenção, nós, Redentoristas do Brasil, repudiamos as ações desse governo que desrespeita os direitos dos pobres e pouco se importa com a morte de milhares de brasileiros.

Estamos solidários com as famílias enlutadas, com os profissionais de saúde e cientistas que assumiram os riscos de salvar vidas e as lideranças que combatem o retrocesso dos direitos democraticamente adquiridos. Acreditamos que superaremos esses males, pois a Esperança é a nossa força e com ela combateremos o bom combate (cf. 2Tm 4,7).

URB - União dos Redentoristas do Brasil

1. Pe. Roque Silva Alves – Vice-Provincial da Bahia (Presidente)
2. Pe. Nelson Antônio Linhares – Provincial do Rio de Janeiro (Vice-Presidente)
3. Pe. André Ricardo de Mello – Provincial de Goiás (Secretário)
4. Pe. Antônio Júlio Ferreira – Vice-Provincial de Fortaleza
5. Pe. Amarildo Luciano – Vice-Provincial de Manaus
6. Pe. Luiz Vieira Gomes – Vice-Provincial de Recife
7. Pe. Marlos Aurélio da Silva – Provincial de São Paulo
8. Pe. Edilei Rosa Silva – Provincial de Campo Grande
9. Pe. Vitor Edézio Borges – Provincial de Porto Alegre